Transferidos mais de dois mil presos para evitar novos conflitos

Pelo menos oito estados entraram em alerta após as rebeliões que deixaram mais de 130 mortos em penitenciárias do Brasil nos primeiros dias do ano. Para evitar novos confrontos entre facções rivais que disputam o controle do tráfico de drogas, os estados do Acre, Ceará, Rondônia e Alagoas já transferiram mais de dois mil presos para outras prisões. Grande parte da movimentação foi realizada no Ceará, que determinou a transferência de 930 logo após a chacina que deixou 60 mortos em Manaus.

‘A gente só sai quando derramar a última gota de sangue’, diz preso no RN

De acordo com a Secretaria de Justiça do Ceará, as movimentações foram feiras entre unidades da Região Metropolitana de Fortaleza. A medida tem como objetivo prevenir os conflitos. Três pessoas morreram em cadeias cearenses este ano, mas as investigações ainda não confirmaram se os crimes têm ligação com o crime organizado.

No Acre, a segurança foi reforçada. O governo teme uma nova rebelião com mortes, já que no ano passado quatro pessoas foram mortas após uma briga entre grupos criminosos com origem no Rio de Janeiro e São Paulo. 15 detentos foram transferidos para cadeias federais. Quem também tem reforçado a segurança é Rondônia. O governo contratou mais agentes penitenciários e 38 presos foram mandados para outras cadeiras.

Responder

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.