Polícia usa bombas para repreender manifestação no Rio de Janeiro

Centenas de policiais reprimem com violência, na tarde deste domingo (13) cerca de 250 manifestantes que tentam realizar um ato nas imediações da Praça Saens Peña, na Tijuca, na zona norte do Rio. O grupo está reunido a cerca de 2 quilômetros do estádio do Maracanã, palco da partida final da Copa do Mundo entre Alemanha e Argentina.

Vinte minutos após os manifestantes iniciarem caminhada pela Avenida Conde de Bonfim, policiais lançaram bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral contra um grupo que correu na direção de uma das ruas laterais, que poderiam permitir aproximação do estádio.

O grupo de manifestantes está completamente cercado por policiais, que formam barreiras em toda a região, com a presença de PMs do Choque e da Cavalaria. Pelo menos dez bombas já foram lançadas e um grupo de ativistas foi perseguido até dentro da estação de metrô da Saens Peña, que em seguida foi fechada.

Manifestantes foram agredidos com golpes de cassetetes e o grupo se dispersou, tentando fugir. A Cavalaria partiu para cima de manifestantes e perto dali uma mulher corria desesperada, com a filha no colo, pedindo abrigo.

Policiais obrigam manifestantes a sentar no chão, inclusive uma senhora. Dezenas de pessoas correm em todas as direções e pedem socorro. A reportagem do $<b$>Estadão$</b$> presenciou pelo menos cinco pessoas detidas e dezenas foram agredidas com golpes de cassetetes e pontapés. O fotógrafo Samuel Tosta ficou ferido nas costas, atingido por estilhaços de uma bomba.

De acordo com a advogado Caroline Bispo, um manifestante teve o braço quebrado e outro, um dente quebrado. Antes do início da repressão, manifestantes gritavam: “Ei, polícia, liberdade já. Lutar não é crime. Vocês vão nos pagar”, em referência aos grupo de ativistas detido na véspera.

Responder

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.