MORADORES DE ASSENTAMENTO RETIRADOS NÃO TEM ONDE MORAR

Além de Suelen, cerca de 200 famílias estão vivendo na rua desde do dia 28 de janeiro que foram expulsas de casa em um assentamento localizado no bairro de Massaranduba,após uma ação de reintegração de posse, feita pela Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder). . Segundo os moradores, policiais chegaram no local e os retiraram dos imóveis à força.

Em nota, a Conder informou que os moradores receberam a notificação de reintegração de posse nos dias 9 e 10 de janeiro, e que o órgão disponibiliza caminhões para as famílias tirarem seus pertences do local.

Ainda de acordo com o órgão público, estão sendo construídas 174 unidades habitacionais de interesse social, com recursos do PAC II, através de contrato entre o Governo do Estado e o Ministério das Cidades. Cerca de 700 pessoas que atualmente são beneficiárias de aluguel social, enquanto aguardam reassentamento definitivo, foram cadastradas e vão receber esses imóveis.

Ainda de acordo com o órgão público, estão sendo construídas 174 unidades habitacionais de interesse social, com recursos do PAC II, através de contrato entre o Governo do Estado e o Ministério das Cidades. Cerca de 700 pessoas que atualmente são beneficiárias de aluguel social, enquanto aguardam reassentamento definitivo, foram cadastradas e vão receber esses imóveis.

 

 

Uma reunião foi realizada na sede da Defensoria Pública do Estado, no bairro do Canela, na capital baiana, nesta segunda-feira (4), para tratar do caso. No encontro, os defensores públicos apresentaram o que já foi discutido com o estado para buscar solução para o caso, mas não estipulou nenhum prazo para que a Conder aloje as pessoas prejudicadas.O defensor afirmou também que, no momento, é feita uma análise para entender o que as famílias precisam, para que, a partir daí, uma medida seja adotada.

Responder

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.