Lagoa da Tábua e Jacurutu recebem água potável

Duas novas comunidades rurais comemoram a chegada de sistemas simplificados de abastecimento de água. Cumprindo com o prometido, o Governo do Estado, através da Secretaria de Infraestrutura Hídrica e Saneamento (SIHS), levou nesta terça-feira (02), água tratada para o consumo humano para: Lagoa da Tábua e Jacurutu, no município de Santa Maria da Vitória, no oeste da Bahia. Os investimentos foram da ordem de R$ 450 mil, com recursos do executivo estadual e do Ministério da Integração Nacional.  Os moradores das localidades, que há muito ansiavam pelo pleito, não escondiam a satisfação.
A idosa, Catarina Hipólita de Oliveira, moradora de Jacurutu, é um exemplo. “Primeiro chegou a luz. Agora veio a água. Isso é sinal de que nossa vida vai ser melhor. E meus meninos lá em casa já tem consciência de que tem que fazer bom uso da água que é pra ela durar”, comemorou.
O presidente do sindicato dos trabalhadores rurais de Santa Maria da Vitória, Odonel Marques, reforçou a alegria por mais uma intervenção na localidade. “Essa é a terceira obra inaugurada aqui na comunidade. Mas temos que agradecer porque é a primeira vez que a gente vê autoridades e representantes do Governo pisarem em nosso chão, o que é muito gratificante”.
Presente no ato, o secretário de Infraestrutura Hídrica, Cássio Peixoto, fez questão de pontuar que o objetivo não é apenas garantir a oferta de água para o consumo humano, mas aliá-la ao desenvolvimento socioeconômico. “E, levando em conta que, estamos próximos de atingir a universalização urbana, nosso maior desafio é levar água potável, saneamento básico, para as comunidades rurais mudando paradigmas”, complementou.
Por fim, ressaltou que: “é prioridade do governo Rui Costa levar água para localidades dispersas. Água potável é um bem tão imensurável quanto a população que se abastece dela e os produtos que saem da agricultura familiar”.
As obras foram realizadas pela Companhia de Engenharia Hídrica e de Saneamento da Bahia (Cerb), vinculada à SIHS. Na comunidade de Lagoa da Tábua, o sistema é composto de captação, por meio de poço tubular perfurado pela Cerb, adução, distribuição, tratamento por cloração, reservatório e 52 ligações domiciliares. Em Jacurutu, a captação da água é feita a partir de um poço tubular. O sistema dispõe ainda de adução, tratamento, reservatório, distribuição e 51 ligações domiciliares. Para o presidente da Cerb, Marcus Bulhões, é uma enorme satisfação poder promover a prosperidade de uma região com a implantação desse sistema. “Esperamos que este seja apenas o primeiro passo para mudar a realidade e iniciar um novo tempo”.

Responder

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.