Ex-namorado suspeito de matar jovem de 15 anos já tinha passagem pela polícia

O namoro de Victória e Adriel durou cerca de onze meses. Mas, para Adriel Montenegro dos Santos, 21, o relacionamento com a adolescente de 15 anos deveria ter continuado por mais tempo. Sem aceitar o fim do namoro e separados há três meses, familiares, amigos e a polícia apontam o ex-namorado, que está foragido, como o principal suspeito de ter assassinado Andreza Victória Santana da Paixão, com um tiro na nuca na noite desta segunda-feira (17), em Itapuã.

O crime aconteceu na varanda da casa de número 15 da Rua do Bispo, em Nova Brasília de Itapuã, onde Adriel mora. Até esta terça-feira (18), pelo menos 20 mulheres tinham sido mortas em Salvador vítimas de violência doméstica em 2017. O caso de Victória foi a 20ª notificação oficial.

Segundo algumas colegas de escola da garota – estudantes do Colégio Rotary, no Abaeté – Victória havia ido à aula nesta segunda e Adriel foi de carro buscá-la na saída. “Ele vivia chamando ela para conversar e ela dizia que não queria mais. Eu nunca vou entender o que levou ela a encontrar ele”, diz uma amiga.

Porte ilegal de arma

Logo após o crime, Adriel desapareceu do bairro. Ele já tem passagem por delegacia. De acordo com a Polícia Civil, em 2014 ele foi preso por porte ilegal de arma de fogo e liberado após pagamento de fiança. O processo, aberto no dia 11 de novembro de 2014 após uma prisão em flagrante, ainda não foi julgado, segundo consta no Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). No acasião, outras duas pessoas também foram presas por porte ilegal de arma, mas também não foram julgadas.

O pai de Adriel, que é policial militar, foi quem socorreu Victória depois que ela foi baleada na varanda da casa. Segundo a Polícia Civil, em depoimento, o pai de Adriel disse que não sabe onde o filho está e qual a arma que ele usou.

No sepultamento, uma tia da adolescente, que preferiu não se identificar, informou que Victória foi socorrida pelo pai do suspeito e levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro de Itapuã. No local, as pessoas reconheceram a garota e ligaram para informar aos familiares. Até o final da tarde de hoje, o pai do ex-namorado não havia entrado em contato com a família para esclarecer a situação. “Não é porque ele é filho de policial que ele vai ficar solto. Ele matou a minha sobrinha, mas podia ser a sobrinha de qualquer um”, disse a tia aos prantos.

A varanda da casa onde a garota foi encontrada ferida foi aparentemente lavada, segundo informou a polícia civil. A 1ª Delegacia de Homicídios (Atlântico), que investiga o caso, pedirá à Justiça a prisão temporária de Adriel. A investigação também aponta que Victória e Adriel namoraram por dois anos, o que foi negado pela melhor amiga da garota.

Responder

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.