EUA enviarão 3 mil soldados para ajuda contra ebola

ebola

Os  Estados Unidos anunciaram nesta terça-feira que enviarão 3 mil soldados para ajudar a controlar o surto de Ebola na África, como parte de uma reposta que inclui um grande destacamento na Libéria, o país onde a epidemia tem se espalhado mais rapidamente.

A resposta dos EUA à crise, que ainda será formalmente revelada pelo presidente Barack Obama, inclui planos para a construção de 17 centros de tratamento, o treinamento de milhares de trabalhadores de saúde e estabelecer um centro militar de controle para a coordenação, disseram autoridades do país a repórteres.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que precisa de equipes médicas estrangeiras com 500 a 600 especialistas, assim como pelo menos 10.000 trabalhadores locais de saúde, números que podem crescer se a quantidade de casos aumentar, conforme se prevê.

Até agora, Cuba e China disseram que vão enviar equipes médicas para Serra Leoa. Cuba contribuirá com 165 pessoas, enquanto a China mandará um laboratório móvel e 59 pessoas para acelerar os testes de detecção da doença. O país já tem 115 pessoas e financia um hospital lá.

Mas a Libéria é o lugar onde a doença parece estar fora do controle. A OMS não divulga nenhuma estimativa de casos ou mortes pela doença no país desde 5 de setembro, e a diretora-geral da organização, Margaret Chan, disse que não há um único leito disponível para pacientes com Ebola no país.

A Libéria, um país fundado por descendentes de escravos norte-americanos libertos, apelou por ajuda dos EUA na semana passada.

Responder

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.