Edílson é preso e tem bens penhorados

O ex-jogador de futebol baiano Edílson da Silva Ferreira, o Edílson Capetinha, está envolvido em uma nova polêmica, depois de ter sido preso por falta de pagamento de pensão alimentícia para o filho. Ele teve bens bloqueados pela Justiça para quitar dívidas que podem chegar até R$ 10 milhões.

Edílson e sócios de uma empresa que administra eventos e bandas estão sendo processados por acumular dívidas trabalhistas. O ex-atleta foi notificado da decisão na noite de terça-feira, 15, quando foi detido pela terceira vez por não pagar pensão alimentícia, em cumprimento a um mandado de prisão expedido pela 2ª Vara de Família de Brasília (DF).

O diretor da Coordenadoria de Execução e Expropriação do Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (TRT5-BA), Rogério Fagundes, explicou que o órgão procura por Edílson há anos, mas nunca conseguiram notificá-lo. “Sempre quando íamos a um endereço onde ele estaria residindo, éramos informados de que ele não morava mais lá. Quando soubemos da prisão dele, imediatamente acionamos nossos oficiais de Justiça, que foram até a Polinter e entregaram a notificação”.

Rogério disse ainda que os bens do ex-jogador foram bloqueados por garantia. “O TRT sempre procura chegar a um acordo de reconciliação. A audiência, que está marcada para o dia 14 de setembro, vai tentar resolver as dívidas junto com as partes envolvidas, incluindo os sócios de Edílson na empresa. Caso a reconciliação não seja possível, os bens serão, sim, penhorados e vendidos para o pagamento das pendências da parte dele”, afirmou.

Procurado pela reportagem, o advogado do ex-atleta, Eduardo Pereira, contou que ele continua preso na unidade policial, mas que a informação sobre ter sido notificado de todas as ações trabalhistas não estaria correta. “Edílson foi notificado apenas sobre uma ação de um único músico, que tinha a banda administrada pela empresa do ex-jogador. Empresa essa que, na prática, era de responsabilidade da esposa dele. O músico tinha que ter procurado ela, não Edílson”.

Porém, o diretor do TRT5-BA reiterou que foram vários processos e explicou que o questionamento do advogado de Edílson diz respeito ao caso que deu origem à notificação, entregue ao ex-atleta na delegacia, mas que o documento considera todas as dívidas.

Prisão

Edílson Capetinha foi preso na noite de terça, em Salvador, a pedido da 2ª Vara de Família de Brasília (DF), por não pagar a pensão alimentícia do filho. O local onde o ex-jogador foi detido não foi informado pela polícia, divulgando apenas que Edílson foi levado à Polinter, nos Barris, onde permanece preso.

Ele já tinha sido preso pela primeira vez em março de 2014, quando foi localizado por uma equipe policial na avenida Garibaldi. No mês de julho de 2016, Capetinha foi detido novamente, em Brasília, por uma dívida de cerca de R$ 430 mil em pensão alimentícia.

Carreira

Edílson deixou o futebol em 2010, quando estava no Bahia. Em quase 20 anos de carreira, defendeu Vitória, Palmeiras, Corinthians, Flamengo e Cruzeiro. Com a Seleção Brasileira, foi campeão mundial na Copa do Japão e da Coreia do Sul, em 2002.

No Palmeiras, foi um dos principais jogadores no bicampeonato paulista de 1993 e 1994 – também ajudou na conquista do Brasileirão de 1993.

Em 1997, foi para o Corinthians, após passar pelo Benfica e pelo Kashiwa Reysol. Com a camisa corintiana, faturou mais dois títulos nacionais (1998 e 1999), além do Paulistão e do Mundial de Clubes.

Responder

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.