Duas mulheres baleadas acidentalmente por metralhadora de PM em Lençóis permanecem internadas

Duas mulheres permanecem internadas no Hospital Regional de Irecê, que fica a 478 quilômetros de Salvador. Elas e outras sete pessoas foram baleadas na manhã deste sábado (13), por tiros acidentais da sub metralhadora de um PM, durante um passeio ciclístico na cidade de Lençóis

Jeane Nascimento da Silva, 35 anos, foi atingida na região abdominal e Ariel Pereira de Jesus, 31 anos, teve uma fratura no braço. Elas precisaram passar por cirurgia e permanecem internadas. Segundo a PM, uma aeronave do Governo do Estado com leito de UTI foi disponibilizada para a transferência das vítimas para Salvador, caso haja necessidade.

As outra sete pessoas que ficaram feridas no incidente foram socorridas para o Hospital Municipal de Lençóis e já tiveram alta médica. Ainda de acordo com a PM, o Serviço de Valorização Profissional da Polícia Militar está prestando apoio psicológico tanto às vítimas quanto aos seus familiares.

Disparos
O incidente envolvendo o policial deixou nove pessoas feridas no início da manhã de hoje. De acordo com informações da Companhia Independente de Polícia de Proteção Ambiental (Cippa) local, o soldado, que não teve o nome divulgado, trabalhava na segurança do 12º passeio ciclístico feminino do grupo “Pedal na Trilha”. Ele deixou a sub metralhadora .40 que portava cair e, acidentalmente, ela disparou.

O caso ocorreu por volta das 6h30, no centro da cidade, em frente ao Mercado Cultural. Ainda segundo a Cippa, o acidente aconteceu porque o suporte da arma que o policial carregava soltou e ele não conseguiu segurar a arma a tempo, antes que ela caísse no chão. O disparo ocorreu em direção ao solo de paralelepípedo, provocando o ricochete e atingindo nove pessoas.

Das vítimas feridas, Jeane e Ariel tiveram ferimentos graves e foram transferida do Hospital Municipal de Lençóis para o Hospital Regional de Irecê. 

O passeio aconteceria em uma trilha que liga os municípios de Lençóis a Andaraí e corta a Área de Preservação Ambiental (APA Marimbus/Araquara). O grupo tinha pedido apoio da Cippa para garantir a segurança do evento. Segundo a PM, comandante da companhia instaurou inquérito policial militar para apurar as causas e a responsabilidade do acidente.

Responder

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.