Chuva forte provoca estragos fora do circuito, mas não atrapalha alegria de foliões

Quase todos os anos, ela vem bater ponto no Carnaval. Presença confirmada pelos meteorologistas na quinta-feira, dia da abertura oficial da festa, ela estava tímida. Na sexta-feira, apareceu poucas vezes, mas, também estava lá. Sábado e na madrugada deste domingo (2), no entanto, apareceu com todo o entusiasmo na avenida. A chuva – assim como os trios elétricos e os foliões – faz parte da tradição do Carnaval de Salvador. Para alguns, um sinal de bênção; para outros, motivo de queixa. Ainda assim, nem mesmo o toró afastou os foliões. E a água foi dura, em todos os sentidos…

Em alguns pontos da cidade, a chuva começou ainda na madrugada de sábado e durou todo o dia e já causou transtornos. No Vale do Canela, a chuva elevou o nível da água do rio Seixos, que corta a avenida até a Centenário. Na região da Avenida Garibaldi, um curto-circuito danificou oito semáforos e deixou o trânsito lento na região, segundo a Transalvador. Uma poça d’água em frente ao Bairro da Paz, na Avenida Paralela, interditou três das quatro faixas no sentido aeroporto e houve congestionamento no local. Quem estava atrás do trio elétrico também lamentou as primeiras águas de março. Foram os casos dos amigos Lucas Santos, 26 anos, e Erivaldo de Jesus, 36.

Vestidos de mosqueteiras para o bloco As Muquiranas, que desfilou, na tarde de ontem, no circuito Osmar, eles disseram que a chuva estragou parte da brincadeira. “De que adianta usar a pistola d’água se a chuva já está molhando todo mundo?”, lamenta Erivaldo. O amigo, no entanto, disse que a chuva surpreendeu, mas não estragou a folia. “Para atrapalhar meu Carnaval só se Deus quiser. Só se ele disser: não vai. Aí, não vou”, afirma Lucas, entre risos.

Quem não gosta da chuva, no entanto, terá que se acostumar. Até a Quarta-feira de Cinzas, a chuva vai estar presente, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O clima deve continuar nublado ou parcialmente nublado com chuva isolada e temperatura entre 23° e 31°.

Até as 19h de sábado, a Defesa Civil (Codesal) havia registrado oito ocorrências, sendo cinco deslizamentos de terra, um desabamento de muro e duas árvores caídas. A água inundou o bairro de São Cristóvão e a região de Piatã, próximo ao Sesc.

Apesar dos transtornos, há quem goste da chuva. O estudante Sandro Roberto, 17, disse que a festa fica mais emocionante quando chove. “Se esfriar é até bom, porque eu procuro logo uma ‘nega’ pra me esquentar”, brinca. A amiga dele Anne Araújo, 32, vê com reservas. “Se pingar chuva aqui, já era”, explica, apontando para o cabelo.

A chuva não poupou nem os foliões mirins. Na Barra, ela marcou presença no desfile do Bloco Happy. Havia poucos abrigos e a criançada fez a festa cantando e dançando na chuva.

Segundo o Inmet, este ano choveu mais em fevereiro do que no mesmo período do ano passado. Em 2013, foram 28mm³ de chuva entre os dias 1º e 28 de fevereiro, quatro vezes menor que o esperado para o período.

A média histórica é de 121,22mm³. Este ano, a média foi superada. Entre os dias 1º e 27 deste mês foram 126,7mm³. Apesar das previsões, a água que caiu ontem foi considerada pequena. Foram 1,9mm, quando o esperado era entre 5 e 15mm³ por dia.

Responder

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.