Volta às aulas coloca mais 1.100 veículos de transporte escolar nas ruas

A partir desta segunda-feira, 9, a calmaria que havia tomado conta da cidade durante o período junino termina junto com a volta às aulas. Dentre os milhares de veículos que devem voltar a circular diariamente na capital baiana, estão os 1.180 que realizam transporte escolar em diversos bairros. Pelo menos, estes são os que estão com a situação regularizada junto à Secretaria de Mobilidade de Salvador (Semob).

A Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador) estima que o retorno às aulas deverá provocar aumento de 47% no fluxo da avenida Paralela. De acordo com informações do órgão, outra via que deverá sofrer um aumento exponencial no tráfego é a avenida ACM, com 38% a mais no fluxo.

Com isso, o número de veículos por dia na Paralela deve saltar de cerca de 72 mil para aproximados 136 mil. Na ACM, a frota diária deverá passar de cerca de 116 mil para 186 mil.

Para reduzir os impactos, informa a nota da autarquia, de hoje até sexta-feira será realizada a Operação Volta às Aulas nas escolas que atraem grande fluxo, sempre das 11h às 13h.

As instituições escolhidas para a operação são o Salesiano de Nazaré (09/7), o Sartre COC Itaigara (10/7), a Gurilândia (11/7), o Maristas (12/7) e o Nossa Senhora da Conceição (13/7).

A Semob realiza duas vistorias anuais (uma por semestre) para verificar itens de segurança, como estado dos pneus, extintores e sistema elétrico.

São observados pela Semob, também, o estado de conservação, o funcionamento do controlador de velocidade (tacógrafo), condições de tráfego, higiene, além da documentação dos veículos e a validade da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) do titular e do motorista auxiliar.

Passadas as etapas de verificação, explica o titular da Semob, Fábio Mota, cada veículo recebe um selo de qualidade que atesta a inspeção. “É o que deve ser observado antes de os pais contratarem o transporte para seus filhos. O veículo que não tiver é clandestino”, alerta.

De acordo com o secretário, as principais infrações cometidas por empresas de transporte escolar são a falta de inspeção, além da CNH fora da validade do motorista auxiliar. Em 2017, a primeira resultou em 171 notificações, enquanto a segunda motivou 119 autos.

“No momento da inspeção, o motorista titular também cadastra o documento do auxiliar, para que se revezem nos turnos”, explica. “Com isso, acompanhamos as datas de vencimento dos documentos por meio de nosso sistema e, se for o caso, notificamos”, prossegue Mota.

Em relação aos clandestinos, continua o secretário, em todo o ano passado, 119 veículos foram apreendidos pela Transalvador, autarquia da Semob. “Isso por causa das blitze que a Transalvador realiza nas proximidades das escolas”, garante o gestor público.

Responder